O Que Visitar

Aldeia de Gimonde

Situada no concelho de Bragança, Gimonde oferece a quem a visita o melhor e o mais genuíno que existe na terra fria transmontana, sempre com o calor humano e a arte de bem receber dos seus habitantes. As paisagens soberbas, a riqueza patrimonial e o pitoresco do quotidiano rural fazem de Gimonde o sítio ideal para uma escapadela de fim-de-semana ou férias, em total comunhão com a natureza.

A freguesia, integrada na orla meridional do Parque Natural de Montesinho, é bem conhecida pelos seus atrativos turísticos, os quais se desdobram pelas vertentes paisagísticas, monumental, arqueológica e, inclusivamente, gastronómica.

Desde os finais do século passado, pelo menos, que aqui foi assinalado um povoado castrejo, conhecido toponimicamente por Arrabalde. Reconhecido e sumariamente prospetado por Pereira Lopo e, posteriormente, pelo Abade de Baçal, aquele arruinado recinto fortificado castrejo terá conhecido intensa romanização.

Ponte de Gimonde

A Ponte de Gimonde, também referida como Ponte Velha, localiza-se sobre o rio Malara e é a principal atracção desta aldeia, a par com as suas paisagens e a sua excelente gastronomia.

Classificada em 1990 como “Imóvel de Interesse Público”, a “Ponte de Gimonde” (ou “Ponte velha”, como é mais vulgarmente conhecida) ergue-se sobre o Rio Malara. Com acesso pela EN 218, faz a travessia a cerca de oito quilómetros de Bragança, cem metros a montante da ponte de finais de século XIX actualmente em uso.

O seu comprimento é de 144m por uma largura total de 4,5 metros. De ambos os lados possui cinco talhamares de perfil triangular. O tabuleiro em corcova encontra-se delimitado por guardas de xisto com 0,40 metros de espessura. A meio do corpo da ponte estava um grande olhal redondo que serviu para conduzir a água para um moinho que aqui existiu.

Com efeito, esta ponte resulta de uma profunda intervenção conduzida durante o período medieval, numa clara evidência da pertinência dos propósitos que servia e para os quais fora concebida de início, tendo sido então utilizada pelos peregrinos que se deslocavam a Santiago de Compostela.

Bragança

Este concelho do Norte de Portugal, em Trás-os-Montes, foi crucial na defesa da fronteira portuguesa e carrega um legado histórico de elevada importância na constituição da nacionalidade. Celtas, romanos, árabes entre outros povos ocuparam o território e até a vizinha Castela cobiçou este pedaço de Terra Fria transmontana. Desde 1187 que a sua importância estratégica é reconhecida, com carta de foral especial, por vários monarcas portugueses e em 1464 é elevada a cidade.

O distrito de Bragança integra a Reserva da Biosfera Transfronteiriça Meseta Ibérica reconhecida pela UNESCO. Beneficia dum património natural de rara beleza e diversidade contando, dentro do seu território, com dois parques naturais (a excelsa vegetação serrana no Parque Natural do Montesinho e as majestosas arribas do canhão de rio no Parque Natural do Douro Internacional, o Geopark Terras de Cavaleiros cujas formações rochosas são únicas no mundo, e uma parcela significativa do Parque Natural Regional do Vale do Tua.